® DIREITOS RESERVADOS  Wilson Mello Franco - LEI 9610 dos Direitos Autorais 1998      

MENU PRINCIPAL DICIONÁRIO dos SONHOS SIGNIFICADO dos NOMES

 

SONHOS QUE PARECEM PREMONITÓRIOS, MAS NÃO SÃO

 

Por Wilson Mello Franco

 

A partir de minha própria experiência, acredito que esse tipo de sonho, aparentemente premonitório, é, na verdade, uma criação mental inconsciente que num certo tempo se atualiza, primeiro em forma de sonho, na quarta dimensão, e depois concretamente, neste mundo da terceira dimensão, que tomamos como nossa realidade primeira. Não percebemos, mas às vezes fazemos criações mentais de fatos que, para nós, no futuro, parecerão acontecimentos fortuitos... Em termos de sonhos, ocorre que essas criações mentais inconscientes ficam na quarta dimensão da mente, esperando o tempo para se concretizarem – e se concretizarão caso não a “queimamos” com outra criação mental contrária, inconsciente ou consciente – e enquanto estão aí, o mecanismo dos sonhos se conecta a essas imagens, pelo que sonhamos com algo que, na verdade já existe, mas que, para nós, em nossa dimensão ainda não surgiu.
Já aconteceu algo semelhante comigo quando fazia um treinamento de vendas numa Empresa. Tive a mesma sensação que que um me disse ter tido num banco onde trabalhava, sentindo que já havia vivido a situação que se apresentava naquele momento diante dele. Neste treinamento senti impressionantemente que já “havia vivido” aquela situação, e que ela estava naquele momento passando “no ar”. Antes disso, acontecera comigo alguns fatos “estranhos” quando estava fazendo o treinamento. Mais tarde, ao analisar os fatos, me dei conta que havia feito uma criação mental, e estava relacionado com aquilo: ocorre que uma semana antes de começar o tal treinamento, quando eu andava pela rua com algumas sacolas de supermercado, parei para trocá-las de mão, e nesse momento desejei encontrar alguém que me ensinasse alguma coisa dos “mistérios”. Lembro-me perfeitamente quando, onde e como. Pois bem: durante o treinamento percebi que chefe de vendas que nos treinava era uma pessoa que já havia tido vivência em alguma “escola de mistérios”. De todo o grupo, restaram três elementos e eu, aos quais queria ele dar algumas lições seguramente “ocultas”, de como influenciar uma pessoa com o poder da mente.... Em determinado momento, não parecia bem um treinamento comercial (iria vender um produto antifurto para carro), embora só eu percebesse isso. Um dia reuniu os quatro em torno de numa mesa, e se pôs a falar coisas que ninguém entendia bem os motivos. Nesse monólogo, tive a impressão que ele, de alguma forma, havia “lido” a minha vida. Não sei se foi coincidência, mas fiquei impressionado com o que ele dizia e que parecia estar relacionado comigo. Os outros três ficavam quietos, não entendiam o significado daquilo, pois era um treinamento de vendas, e o que ele falava não tinha relação com vendas.


Num outro dia, contestei uma lição em que ele dizia que todos nós já éramos vencedores desde o momento da concepção, uma vez que o espermatozoide que supostamente era eu, foi o primeiro a chegar ao óvulo de minha mãe. Sinceramente, acho essa conotação ridícula. Mas quando o contestei, ele se agitou, cheguei a pensar que ia me ofender (pois eu o interrompera), mas foi então que tive outra surpresa: ele virou-se para mim e me disse de supetão uma frase relacionada com minha vida, que de modo algum podia tomar como coincidência, pois julgo fazer parte do meu carma nesta vida. Na verdade, ele havia percebido que eu não tinha veia de vendedor, mas não podia se livrar de mim pela seleção natural, como acontecera com os outros, pelo fato da minha criação mental o estar influenciando. E dele recebi uma lição “oculta”; tanto é que, depois disso ele completamente se desinteressou por mim e, engraçado, fiquei repentinamente rouco!


Tudo isso não tem nada a ver com espiritismo, mediunidade, paranormalidade... é uma função natural de nossa mente, uma faceta que a grande maioria de nós nada conhece, e até nos parece, às vezes, sobrenatural.


Este rapaz, em determinado momento deve ter pensado na possibilidade de sua namorada vier a se interessar por alguém mais velho e com um carro segundo certo gosto seu ou dela. Esse pensamento pode ter se originado a partir de você ter ouvido ou visto alguma coisa nesse sentido, ter tirado uma conclusão que se espelhou em sua mente e se tornou uma potencialidade. É claro que comporta outras explicações... mas seguramente não tem nada a ver com coisa do “outro mundo”. Só tendemos a pensar em algo sobrenatural pelo fato do processo ser inconsciente, e, por extensão, não nos lembrarmos dele.

 

 

  <<<< RETORNA      CONTINUA >>>>>

 

 

 ® DIREITOS RESERVADOS - LEI 9610 dos Direitos Autorais, de 1998.